Máxima

"Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável e não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, um senso prático daquilo que vale a pena ser empreendido, daquilo que é belo, do que é moralmente correto" . (Albert Einstein)

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Características tradicionais do povo romano

A obediência à autoridade foi por certo a principal característica do Romano. A educação radicava-se no respeito ao pai (pater famílias), que podia dispor da vida e bens de todos os membros da família. No plano da cidade, havia o respeito à vontade dos magistrados ou de quem estivesse investido de poderes civis.P-paterfamilias-1

A submissão à disciplina deu coesão política aos Romanos, permitindo-lhes a constituição de um vasto império e triunfo sobre inimigos poderosos. A educação em Roma pertencia à família. Era o pai quem incutia aos filhos o amor à pátria e o orgulho pela condição de cidadão romano.

É certo que a mulher romana não era livre. Pertencia ao pai, que lhe escolhia marido, e ao marido, que sobre ela passava a ter direito de vida e de morte. Quando nascia uma menina, o pai 1romaantigapodia não se conformar, expondo-a à porta de casa e deixando qualquer transeunte tomar conta dela, se assim o desejasse. Se ninguém se compadecesse, a criança morria ao abandono. Os Romanos souberam, apesar de todos estes defeitos dignificar a mulher mais do que nenhum povo da Antiguidade. Era ela quem dirigia a vida doméstica ao lado do marido, orientando as atividades do lar, as refeições, e participando ainda das cerimônias civis, assistindo aos jogos e comparecendo mesmo nos tribunais.

Embora de costumes rígidos e menos afáveis do que os Gregos, os Romanos tiveram a preocupação de cultivar certas qualidades, que os dignificaram. Entre elas a gravitas, ou dignidade. Esta dignidade tem um sentido algo diferente do que nós hoje lhe damos. Gravitas significava não só caráter, honra, mas ainda a associação da inteligência ao coração.

Outras qualidades apreciadas foram a lealdade, firmitas; a virtus, significando energia viril, coragem e bravura; a constantia, firmeza de caráter; a clementia, ou indulgência, no sentido de renúncia aos seus direitos; a frugalitas, simplicidade, frugalidade no comer e no trajar; a severitas, a severidade para consigo mesmo; e a pieta, mulheromanao respeito aos deuses.

Na mulher, a qualidade que mais apreciavam era a austeridade. O melhor elogio que se podia dar a uma matrona (mãe de família) era escrever em seu túmulo: Ela ficava em casa e fiava a lã…

Os Romanos mantiveram durante os primeiros séculos da República estes valores, que os auxiliaram na unificação da Itália e no domínio de quase todo o mundo então conhecido. Foi exatamente à simplicidade primitiva, que fazia de todo cidadão um agricultor e um soldado, que Roma ficou a dever a sua importância histórica.

Os Romanos respeitaram, até o fim do Império, esses valores, embora sob forma ideal, pois, com a conquista da Grécia e com os contatos com o mundo helenístico oriental, a sobriedade primitiva cedeu perante o luxo e a imoralidade. No entanto, foi ainda o respeito pelos valores tradicionais, em especial a gravitas, a pietas e a virtus, que manteve a unidade política. Foram esses elos que permitiram uma ligação entre um passado assente numa educação familiar rígida e a assimilação de mundos novos, ricos de solicitações.

aguia imperial

Os Romanos dos primeiros séculos cultivaram ainda a humanitas, a melhor herança da sua civilização. A humanitas traduz o respeito pela pessoa humana, o respeito pelos outros e pela sua liberdade.

.

.

.

.

Fonte: Texto gentilmente cedido a nós pela profª Clotilde Paul

Um comentário:

  1. Texto bem pertinente sobre os romanos. Eles foram de fato uma gloriosa civilização. As mulheres não tinham os direitos que têm hoje, mas acredito que isso foi um processo...
    Parabéns pelo blog

    Visitem meu novo: http://holycirclesymbol.blogspot.com/

    ResponderExcluir